Uma autêntica seleta de contos

Lidos sem conhecimento de autoria, os contos de Dois nós na gravata dão a impressão de integrar uma antologia de diversos autores. Não há pontos notáveis de similaridade. Tema, gênero, estilo e linguagem se modificam título a título, à feição de uma galeria de assinaturas literárias.

Ocorre que o livro tem um único autor, o pernambucano Rômulo César Melo. Surpreende, portanto, o domínio técnico em investir em tamanha versatilidade narrativa e compor uma série de textos que se destacam não pelo sentido de unidade, mas por conta de suas qualidades individuais.

Trata-se de uma seleta de contos, na aquisição mais autentica do termo.

Ora se investiga a transcendência do amor e da comunicação, no tempo do homem das cavernas, ora se apega a um elo entre irmãs, na Rússia do século 18. Ora flerta com a estética do insólito, ora assume um olhar afinado do cronista. Ora lembra Nelson Rodrigues, ora evoca Dostoiévski.

São experiências distintas que, apesar de não formular uma corrente de leitura, prende o leitor pelo alto nível da escrita. Há contos realmente muito bons.

“Chá com torradas” é um mergulho na psicopatia de personagem governado pelo Complexo de Édipo. “Tô viva, Tereza!” acompanha, com uma dosagem calculada de bile e de humor, uma mulher traída e abandonada pelo marido, que é premiada pelo destino com um tipo de revanche. “Um conto não autorizado” potencializa a metalinguagem.

Nenhum, porém, consegue alcançar a genialidade de “De volta à Praia do Futuro”, um tremendo soco no deslumbre pela literatura, que merece uma atenção especial.

Casado e pai de dois filhos, o protagonista é um indivíduo falido que, aos 40 anos, ainda alimenta a ilusão de viver de literatura. Enquanto não está sonhando em ser reconhecido, passa horas e horas num quartinho de empregada que transformou num museu de suas conquistas medíocres (medalhas e certificados de concursos).

A esposa, que ele engravidou na adolescência, numa festa de bebedeira, é a única que trabalha. E reage com tamanho desprezo à vontade do marido de ser “exxxxcritor”, que o sujeita ao ponto de forrar com ração de cachorro o piso do “seu cantinho”. Vê se passa o fim de semana na tua casinha e late baixo. Deixei comida suficiente, dispara.

Até que, certo dia, ele se encontra por acaso com velhos colegas de colégio, e o papo lhe reaviva lembranças. De volta à casa, procura fotografias daquela época e, ao tocar numa porta dentro de um retrato, é transportado ao passado, onde tem a chance de interferir nos acontecimentos da festa que selou seu destino.

É uma porrada, que escancara o quanto é foda, humilhante e triste tentar ser escritor no Brasil, sobretudo quando a idade e o curso da vida já não permite encantamentos. Faz coro ao conselho de que, diante do fogo da escrita, o melhor é resistir o máximo que puder. Desiste sempre. Isso vai evitar muitos, muitos e muitos anos de bruta decepção.

Por conta de sua prosa segura, criativa e magnética, as narrativas de Dois nós na gravata ganhou o Prêmio Pernambuco de Literatura. Pelo impacto de sua verdade, o conto “De volta à Praia do Futuro” deveria ser aplicado em todas as oficinas literárias desse país.

 

 

***

 

 

Livro: Dois nós na gravata

Editora: Cepe Editora

Avaliação: Muito Bom

3 comentários sobre “Uma autêntica seleta de contos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s