O silêncio como forma de violência

A despeito do cuidado em atribuir uma voz marcante à sua protagonista, a força motriz de O passado é lugar estrangeiro é inegavelmente a manipulação de um segredo.

Há, no cinema, um termo chamado MacGuffin, que designa um dispositivo de enredo (um elemento físico ou abstrato) que o personagem principal irá perseguir durante todo a trama, ainda que essa busca incessante tenha pouca ou nenhuma importância para a resolução da história.

Em seu romance de estreia, a paraense Suelen Carvalho posiciona o leitor como que diante de um MacGuffin, em meio a um desmoronamento psicológico. Descobrir esse elemento secreto não funciona como motor para a trama, porém a presença do mistério é o que instiga a leitura até as últimas páginas.

Um ardil? Sim. Contudo, como fazer boa literatura sem criar grandes ciladas?

A história é de Diana, uma jovem professora que sai destruída de um casamento. Depois de conviver com o advogado Marcos durante anos, e o considerar o homem perfeito (ainda que não fosse um entusiasta do sexo), ela descobre algo monstruoso no computador do marido, que trará consequências trágicas.

Como nunca percebi nada?, questiona-se. Como vocês nunca perceberam nada?, questiona os sogros, quando confrontada por eles.

O enredo ganha extensão nos efeitos do trauma, por meio da fala de uma mulher que naufraga numa combinação de luto e crise existencial. Diana se isola, para de se alimentar e desenvolve uma estranha condição de não suportar cores.

Seus únicos esteios passam a ser a mãe e a amiga Marília. Elas agem para que a professora resista ao presente, enquanto internamente escava com fúria o passado recente, a fim de buscar qualquer vestígio que lhe esclareça o que aconteceu, e o passado de sua infância, igualmente deformado por um duro golpe.

Suelen imprime potência em sua narradora, ao fazê-la transcender a busca por um sentido no ato do marido e mapear o submundo da própria inocência. Os regressos às cenas do relacionamento com Marcos é a forma de se reencontrar com a pessoa que era naquele espaço de tempo e, para o futuro, tomar uma decisão radical para neutralizá-la.

Inexplicitamente, a autora ainda consegue implementar uma discussão sobre a violência contra a mulher. A protagonista teve de crescer com o fantasma do desaparecimento do pai; a mentira desnorteante do marido eleva esse choque emocional a um obscurantismo capaz de anular a própria identidade.

As agressões físicas e verbais não são as únicas agressões. O silêncio é também uma forma de violência.

O passado é lugar estrangeiro tem saídas narrativas estimuladas por descobertas, embora seu fio condutor esteja no que há de mais escondido.

 

 

***

 

 

Livro: O passado é lugar estrangeiro

Editora: Patuá

Avaliação: Bom

Um comentário sobre “O silêncio como forma de violência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s