Toda minha calma vem do mar

Uma descarga sensorial se irradia das páginas de Pequenos reparos, de Omar Salomão.

Em sua nova antologia poética, o autor carioca dá forma a uma estamparia vibrante na qual os versos se consorciam à intervenções visuais constituídas por desenhos, manuscritos, colagens, rabiscos e rasuras.

Salomão não se filia a nenhum estilo ou movimento, impregnando seu ofício criativo de uma liberdade irrequieta, que produz poemas convencionais, prosa, versos brancos, versos rimados, poesia visual, frases soltas e fragmentos de diálogos.

Um fluxo multifário e disparatado, cujo dínamo temático percorre a natureza palpável e a abstrata, a fauna humana e o secreto da vida selvagem. O poeta tenta reaproximar o homem comum de seu ambiente primitivo, ao entender as plantas, o mar, o rio como uma porção que deixamos para trás.

transformando nossas vozes em ecos/distante, confusos/as folhas escondem as direções/e depois/nos encontramos ou não/somos sinais repetidos/eu você e o horizonte em linha/sem montanhas ou ilha/para desviar nossa monotonia.

Desse modo o espaço urbano é visto por um viés danificado, alienador, de rachaduras e medos fabricados pela violência das colisões e dos projéteis, pelo instável do cenário de prédios pingando concreto. Ao travar tal contraste, o autor expõe suas próprias contradições e questionamentos, buscando inspiração naquilo que lhe fornece serenidade.

Toda minha calma vem do mar*

*E num processo/De gravação mnemônica/ Eu retorno ao mar/E me deparo novamente/Com a canção esquecida,/Ancorada no sal da/Flor que flutua/Nas marolas/E que me faz/Flutuar.

De todos os salvamentos possíveis, Salomão converte seu fascínio pela água em suas melhores composições. No reino submerso ou na frequência costeira, seu eu lírico vai se curar, abortar os males do corpo e da alma feito um escafandrista em busca da existência translúcida que há em níveis profundos do cotidiano.

corre um rio/abaixo de um grande rio/outro/se movimenta, lento e silencioso/ninguém penetra sua superfície/que rasga a terra e se modifica/é sempre outro (…)

Pequenos reparos trabalha com a matéria, mas tem a liquidez em seu conceito.

 

 

***

 

 

Livro: Pequenos reparos

Editora: José Olympio

Avaliação: Bom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s