Contos que retratam o agora

Marcio Renato dos Santos é, sem dúvida, o mais contemporâneo contista em atividade.

Sua literatura não se presta a transitar pelo território da memória, entrando por rotas de um passado em que viveu ou um em que todos vivemos, e sim armar um dispositivo para retratar o agora, transportar para o universo ficcional os assuntos e as discussões que dominam a ordem do dia.

Foi assim com Mais laiques, de 2015, coletânea regida pelas transformações que as redes sociais produziram no comportamento humano e nas inter-relações pessoais.

A certeza das coisas impossíveis, seu mais recente livro, reúne 11 breves narrativas pautadas por temas como representatividade de gênero, empoderamento feminino, justiçamento e aparição dos críticos de ocasião.

O texto do autor curitibano é sempre limpo, sem maneirismo ou firulas linguísticas, dotado de um controle flexivo que se molda intuitivamente à oralidade.

É curioso que muitos cronistas trabalham seus textos com uma sofisticação que lhes conferem a qualidade do conto, enquanto Marcio Renato toma o caminho inverso, concedendo leveza às suas narrativas de modo a ganharem a límpida naturalidade da crônica.

O personagem é sempre o elemento condutor. A partir de seu ponto de visão, o enredo se desenvolve por cenários externos, mesmo quando provém de um curso mental.

Assim acontece em “De volta a Malecón”, o conto de abertura. Mara, uma transexual, perambula pela cidade à beira, buscando referências em diversas expressões artísticas para reconstituir uma vida de afetividades e aventuras sexuais.

“Mágica no absurdo”, o melhor e mais complexo, coloca o dedo na ferida ao tratar do representante de um frigorífico que tem de lidar com uma campanha publicitária baseada no empoderamento feminino. O texto, recheado de sugestões e momentos expositivos, traça um embate entre a canalhice e o socialmente correto, numa situação estapafúrdia que mira no uso de uma bandeira política para arrematar segundas intenções.

“Amanda” encontra-se nessa mesma chave. A personagem-título conduz sua rotina medíocre por meio de convicções extraídas de impressões de filmes alugados numa locadora próxima ao apartamento onde mora. A ocorrência de algo trágico revela a falta de sensibilidade que se dirige ao infortúnio alheio.

Outros contos abordam o machismo, a violência contra a mulher e a fragilidade moral, chegando ao fim com “Tenho pistola, pistolão”, sobre um indivíduo que sai pelas ruas de Curitiba exterminando pessoas pobres, no que chama de “fazer a limpeza da cidade”.

Entre a crítica e uma espécie de absurdidade prosaica, Marcio Renato se consagra um autor que não busca um rótulo temático, mas firmar uma obra na qual a arte da escrita se vira feito uma antena para seu tempo, estabelecendo sinais de conectividade com a malha social.

 

 

***

 

 

Livro: A certeza das coisas impossíveis

Editora: Tulipas Negras

Avaliação: Bom

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s