Um clássico sobre o êxodo e a fome

Coube a Vidas secas, do alagoano Graciliano Ramos, ficar para o imaginário coletivo como o grande romance nordestino sobre o drama dos retirantes.

Dez anos antes, porém, o paraibano José Américo de Almeida publicava A bagaceira, marco inicial da segunda fase do movimento modernista brasileiro e, acima de tudo, obra que prenunciava o chamado ciclo do romance dos anos 30 que, além do clássico de Graciliano, seria marcado por títulos como Mar morto, de Jorge Amado; O Quinze, de Rachel de Queiroz; e Menino de engenho, de José Lins do Rego.

Frequente em seus tecidos narrativos, a maneira sensível de extrair da realidade matéria para ficcionar e denunciar os flagelos de uma região em indomável degradação, por conta da seca, do êxodo, dos conflitos e do esboroamento de uma sociedade patriarcal de donos de terra que comandavam os engenhos e a monocultura da cana-de-açúcar.

Desse estado de opressão e injustiça, incorre a trama de A bagaceira, em seus intuitos velados e simbolismo trágico. Vide o título que deriva do substantivo “bagaço”: resíduo de fruta, cana, erva etc., espremido ou moído, depois de se lhe retirar o sumo; buruso, burusso (Houaiss); mas ainda uma analogia ao meretrício.

E de extrema importância registrar, desse modo, um valor que transcende a densidade artística e traz aos olhos de todo o país uma mancha social, até então, ordinária e impune: a relação entre prostituição de meninas e a fome. Lembrando de que se trata de um livro escrito nos anos 20.

Tudo era vendido pela hora da morte; só a virgindade se mercadejava a preço baixo. Meninas impúberes com os corpinhos conspurcados. Deitavam-se a elas nos fundos das bodegas por um rabo de bacalhau ou um brote duro.

Américo de Almeida usa da significação simbólica do sexo como esteio de profanação para retratar também a existência corrompida, deflorada, dos retirantes dessorados, ocos de fome, cabisbaixos como quem vai contando passos. É curioso notar como, ao contrário da obra de Graciliano, onde a morte é o elemento de catarse, aqui a maculação do corpo feminino inicia uma arrebentação sensorial que se transfunde ao cenário, em sua hiperestesia de vermelho-terreno, vermelho-carne.

A materialização desse efeito está na personagem Soledade, filha de Valentim e irmã de criação de Pirunga, a moça que se destaca no trio de retirantes que busca refúgio nas terras do senhor de engenho Dagoberto Marçau. Além do feitor e de alguns peões, lá também está Lúcio, filho de Dagoberto, em férias da faculdade de Direito.

Soledade logo chama atenção pela “beleza magra”. Há nela a ingenuidade de menina ao mesmo tempo que a noção do fogo que crepita nos homens, arrebatando Lúcio nos encontros, a princípio casuais, mas que, pouco a pouco, tornam-se um espreitamento irresistível.

O estudante, um jovem autocentrado e, ainda assim, incapaz de controlar os próprios desejos, apaixona-se cegamente pela donzela, atestando sua intenção com um pedido de casamento, após um breve tempo fora do engenho. Dagoberto, no entanto, é contra o relacionamento, por considerar a retirante desonrosa para o filho.

Para que foi que eu gastei tantos e quantos? Dinheiro que dava pra levantar a cabeça de muita gente… Pra que foi que o tirei da bagaceira?

Porém Lúcio insiste, e o pai conta-lhe uma desconcertante experiência pessoal que guarda parentesco com o caso. Quando o filho faz-se irredutível, Dagoberto confessa que estuprou Soledade e a tornou sua rapariga, desencadeando uma sucessão de acontecimentos que irá culminar numa tragédia e na maneira de enxergar os atores da trama.

Américo de Almeida não vai a fundo na elaboração da psicologia de seus personagens, tratando-os feito vetores de sensações, um tipo de humano de raso intelecto (salvo Lúcio) cujo modo de se portar está mais ligado ao instinto que à razão. Isso se dá na maneira de abranger o que se vê, o que se cheira, o que se escuta, puxando o leitor para um ambiente no qual horrores se embrenham pelo prosaico rotineiro, tal uma febre delirante que contamina a todos arrebatados pelos dias que se racham no apogeu telúrico. Não há, por exemplo, o choque fremindo o relato de quem conta a história da mulher que devorou uma criança de cinco anos para sarar a fome.

A contrapartida, desse jeito, impregna-se na linguagem estilosa, ferazmente imagética, que ocorre em duplo estágio: lírica e culta, quando está na voz do narrador; e simples e cheia de expressões e símbolos regionais, quando flui pelo timbre de Dagoberto, Valentim, Pirunga etc. Os mitos sertanejos ganham relevo a partir dessa intermitente musicalidade que delineia a vasta geografia e vai diminuindo o tom ao se aproximar da intimidade dos personagens. O vigor da trama, de fato, advém desse léxico copioso, estufado de figuras de linguagem e marcado pela vocação oral, cuja inovação e complexidade deram forma a um indispensável glossário, elaborado pelo próprio autor.

A nova edição ainda é introduzida por um abrangente estudo, assinado pelo crítico Manuel Cavalcanti Proença, que examina com maestria as ambições explícitas e implícitas deste que é reputado o romance que abriu a nova fase literária do Brasil. Um clássico sobre o êxodo e a fome.

***

Livro: A bagaceira

Editora: José Olympio

Avaliação: Excelente

Anúncios

Um comentário sobre “Um clássico sobre o êxodo e a fome

  1. Muito bom apontamento sobre Américo de Almeida. Realmente ficou marcado o Vidas secas, do Graciliano. Décadas depois, lembrei-me desses romances ao ler Outros cantos, de Maria Valéria Resende. Livros que mostram esse vasto Brasil, com tão vastas disparidades de todo tipo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s