Tratado de um caos linguístico

Obra catalisadora da montagem teatral de mesmo nome que, em 2004, projetou o ator e autor carioca Michel Melamed, Regurgitofagia ganha uma nova edição trilíngue (português, inglês e francês), com o acréscimo de fotos e de textos inéditos.

Como indica o neologismo do título (regurgitar: expelir o excesso, especialmente pelo estômago; fagia: comer), o volume é um organismo linguístico que se constitui ao mesmo tempo que se devora, num (retro)movimento incessante; um vernáculo movediço que não faz sentido fora de seu próprio caos.

A melhor definição é a partir do não formal. Não é poesia, não é microconto, não é vinheta, não é roteiro.

É algo eletrificado pela experimentação, pela arritmia, uma multicolagem cujo radicalismo deliberado e sensorial o aproxima do signo modernista oswaldiano, sobretudo ao destilar o éter anárquico na crítica ao consumismo, às megacorporações, aos enlatados, à coisificação.

Há também uma influência notável da poesia marginal, irradiada de autores como Waly Salomão e Paulo Leminski.

Fica claro que a falta da oralidade e da dramatização diminui o impacto do texto, porém nada que subtraia a marca original desse tratado verborrágico.

***

Livro: Regurgitofagia

Editora: Bertrand Brasil

Avaliação: Bom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s