Um conto de duas montanhas

A crítica abaixo foi escrita em parceria com Laura*, minha filha

Começamos a ler o livro do Henrique Komatsu por volta das 11h30. Revezávamos nas frases.

Tivemos de parar para o almoço, entrava o horário em que começam as prévias da preparação para a ida à escola.

Assim que chegou em casa, no fim da tarde, Laura me lembrou que tínhamos de terminar o livro. Sendo um infantil (ou justamente por ser), isso é um bom sinal.

A menina que viu Deus conta a história da pequena Aleteia, que mora com a avó numa ilha coroada por duas montanhas.

A maior chama-se Tristeza; e a menor, Alegria. Mas nem sempre tiveram esses tamanhos.

Certo dia, a menina questiona-se sobre a criação do mundo e, por conseguinte, sobre a existência de Deus. Dotada de calma e de sabedoria, a avó convida a neta para uma jornada de um dia até ponto mais alto da ilha, onde irão cultuar diálogos e visões que evidenciarão a presença do Criador.

Trata-se de uma narrativa metafórica, mas que não depende que a criança entenda a metáfora para fazer sentido(s).

Laura entendeu. Apontou como o autor trabalha o uso das cores (Tristeza, Alegria) para sinalizar sentimentos.

Também gostou das ilustrações de James Kudo, em especial uma página em que a menina é cercada por plantas, anfíbios e insetos.

Há um trecho no qual Aleteia imagina como seria Deus, e Laura confabulou também sua versão: cabelo curto e marrom, olhos fechadinhos e verdes, tem a forma de ser humano, pode voar, mas não tem asas.

Ao fim, disse que mais gostou da parte das montanhas, e que o título foi muito bem escolhido.

Komatsu constrói um conto sobre uma entidade arraigada à religião, a partir de um viés naturalista. Um forma suave e tenra de tratar de temas etéreos.

 

 

*Laura tem seis anos e está no 1º ano.

***

Livro: A menina que viu Deus

Editora: Confraria do Vento

Avaliação: Muito Bom

Anúncios

4 comentários sobre “Um conto de duas montanhas

    1. Obrigado, querida! A leitura crítica é um exercício muito válido para uma criança, pois a posiciona de passiva ao texto para um agente ativo. E muita coisa se revela simplesmente nessa troca de direções. Sempre grato pelo carinho. Beijão!

      Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s