A ambiguidade com precisão

Talvez por influência (direta ou indireta) das redes sociais, o microconto tem aparecido com mais frequência na produção literária brasileira.

No ano passado, por exemplo, as coletâneas Girassol voltado para a Terra, do paulista Renato Tardivo, e Lúcifer e outros subprodutos do medo, do mineiro Whisner Fraga, destacaram-se pela perícia de seus autores em agregar técnica e observação em prol da arte de constituir uma história por meio da concisão narrativa.

Microficções, do carioca Tiago Velasco, é também um sortimento de contos mínimos, porém um em que o requinte condiciona uma manufatura mais complexa.

Em parceria com a artista visual e designer Mariana Destro, o livrinho (no sentido de suas dimensões) combina palavras, formas e espaços na fabricação caseira de um projeto editorial marcado pelo apuro, pelo bom gosto e, sobretudo, pela reverência a um modo milimétrico de praticar o fazer literário.

Velasco divide sua coletânea em duas partes. A primeira volta-se a um confabulário mundano, ao passo que a segunda justifica o título.

Na prensa ocular do autor estão temas como a vida cotidiana, a animália, a sociedade de consumo e as relações humanas. As frases, aparentemente desarticuladas, vão se encaixando num mosaico que guarda, em seus limites exíguos, duas significações: a visível e a secreta (viva Piglia!)

É o caso de “A noiva”: Véu, grinalda, chuva de arroz. Jogou o buquê para a futura mulher de seu marido.

Nos contos, digamos, “maiores”, esse segredo se resolve no impacto do arremate. As tramas circulares concentram sua força na última frase, dando propósito ao título e acertando o leitor à queima-roupa.

Desfilava nas passarelas de Paris, Nova Iorque e Milão. Os principais estilistas disputavam para que ela vestisse seus looks. Diziam que tinha uma beleza exótica. Um rosto indecifrável era o elogio máximo. Inexpressiva, fazia a roupa brilhar. Morreu sem uma ruga, de “Top model”.

O destaque, porém, fica a cargo dos nanocontos em que o escritor, “meticuloso, escolhe a ambiguidade com precisão”. São manifestações honrosas à escrita, esse altar onde cabem deuses de todos os tamanhos, onde o encorpado do volume não determina a qualidade.

Vide “Microconto”: Há quem anote pequenos trechos em cadernos para depois escrever crônicas, contos ou romances. Eu me dou por satisfeito.

Faz bem.

***

Livro: Microficções

Editora: Autopublicação/Projeto gráfico: Mariana Destro

Avaliação: Bom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s