Vestígios de um princípio sem fim

Tentativas de capturar o ar, de Flávio Izhaki, é um livro sobre suspensões. A autoimposta, que se filia a uma ideia de fracasso, e a imposta de maneira fatal pelo acaso, sobre a qual não se pode prevalecer.

O terceiro romance do escritor carioca se estrutura a partir das pesquisas de Alexandre Pereira, jovem acadêmico que se lança ao desafio de preparar a biografia de Antônio Rascal, autor do melhor romance brasileiro dos últimos 25 anos, que inexplicavelmente deixou de publicar. Ocorre que, em meio à produção, Pereira morre num acidente de carro e o que se tem é um trabalho incipiente e, obviamente, incompleto.

A narrativa, desse modo, ganha forma através desses apontamentos e de reproduções de entrevistas feitas com pessoas próximas a Rascal que, na arquitetura de um quebra-cabeça, vão constituindo a personalidade e o comportamento do escritor.

A resposta do porquê do hiato criativo, contudo, segue em aberto, até vir à tona dois textos inéditos, entre os quais a confissão de um pai endereçada ao filho, na qual este detalha a prática de um crime ocultado.

Pode estar aí a explicação para a pergunta central, porém não há certeza se o fato aconteceu ou se trata de um relato ficcional. A dúvida dá partida a uma investigação que extrapola os limites da literatura, não esclarecendo o escritor, mas jogando luz sobre suas contenções paternas.

Izhaki utiliza-se de um mistério para explorar as relações familiares nas palavras de um filho que vai desconstruindo o pai, como uma forma de compreender a si próprio, estabelecer identidades. Ao percorrer uma vida cerrada pela escrita, o autor traça uma associação entre ausência e fracasso, mostrando que a imagem que trazemos de alguém não é quem ela é de fato, que tentar se projetar no outro não extingue incompletudes da mesma forma que “o vão entre o que se propõe narrar e o papel é intransponível”.

Como dito anteriormente, esse é um livro sobre suspensões, mas também no sentido de enleio, êxtase. Com uma prosa madura e segurança para se arriscar e oferecer ao leitor uma narrativa instigante, Izhaki se firma como um dos mais prontos e interessantes de sua geração.

***

Livro: Tentativas de capturar o ar

Editora: Rocco

Avaliação: Muito bom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s