Um Albert DeSalvo da literatura

A obsessão pela notoriedade é o que governa o protagonista de O lado imóvel do tempo, de Matheus Arcaro. Salvador dos Santos, um sujeito assombrado pelo fantasma do pai austero, colecionador de fracassos e medíocre na vida pessoal, na profissional e no intento de se tornar um célebre poeta.

Tomado, então, por um forte ressentimento, decide, já aos 70 anos, compensar a série de frustrações com uma série de assassinatos. A essa lógica torpe, dá o nome de arte.

“Preciso da primeira página, de matérias longas e ilustradas, de horas de reportagens ao vivo na televisão. E, pra conseguir isso, tenho que matar vários, com critério. Mas, que direito tenho de matar para me imortalizar? Que direito não tenho? A palavra direito é tão vazia quanto minha fé no homem. Eu construo meus direitos! (…) De mãos dadas com os cadáveres, nadarei contra o fluxo do tempo”.

Depois da bem comentada estreia no conto, o autor paulista aplica, no romance, o mesmo vigor literário calcado na associação lírica e na dimensão psicológica dos personagens. O resultado é o fluxo denso de uma voz interior que carrega, em si, reflexões transviadas, frequências de delírio e doses de escárnio e de misantropia.

Apesar de um excessivo rebuscamento da linguagem, Arcaro demonstra bom domínio na construção dessa narrativa sobre um homem que mata pessoas para se vingar da literatura.

***

Livro: O lado imóvel do tempo

Editora: Patuá

Avaliação: Bom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s