Aventuras pela ilha da memória

Os invernos da ilha, romance de estreia do paulista Rodrigo Duarte Garcia, regasta a origem do gênero de aventura, tomando emprestado, das ficções de Herman Melville (Moby Dick), Joseph Conrad (O coração das trevas) e Robert Louis Stevenson (A ilha do tesouro), as narrativas de longas expedições, de piratas e de caça ao tesouro.

A trama se passa na hibernal Ilha de Sant’Anna Afuera, onde o narrador Florian Links se refugia depois de sofrer uma combinação de tragédias. Hospedado num mosteiro pelo amigo de infância, agora o religioso dom Fernando, ele conhece o pesquisador Philippe Rousseau, cujos estudos se voltam para a tradução do diário de Olivier van Noort, corsário holandês que incursionou por aquelas terras chilenas no século XVI.

Entre os relatos atribulados de viagem, o tradutor se depara com um breve poema que acredita conter mensagens cifradas que indicariam a localização de um tesouro escondido. O mistério, então, acaba por envolver Florian e Rousseau num relacionamento de cooperação e de antipatia, que muito lembra a dinâmica tortuosa entre os protagonistas do fabuloso (e recomendadíssimo) A pele fria, do catalão Albert Sánchez Piñol. A dupla ainda contará com a ajuda de Cecília, uma médica local cuja presença é motivo para a intenção de um triângulo amoroso.

Garcia não se atém ao jogo acelerado das reviravoltas, mas em construir, com escala e detalhismo, o cenário insular e os aspectos singulares de seus personagens. Esse movimento de mapa que vai se desdobrando lentamente é o que dá o compasso da narrativa, prendendo o leitor muito mais pelo prazer da exploração que o da descoberta final. A despeito da soma das pistas, a grande aventura é mesmo imergir naquele vasto mundo criado, esquadrinhar de densos rios à florestas remotas.

Com isso temos a sensação de que a vontade de entreter do autor carrega em si a potência da homenagem; uma forma reverencial de dar continuidade a um tipo de literatura que marcou muitas infâncias pelo poder de desbravar universos através da imaginação. De fato, o tesouro de Garcia são as referências de todos os escritores que leu, com os quais sempre habitará a ilha da memória.

***

Livro: Os invernos da ilha

Editora: Record

Avaliação: Bom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s