A alma é um Grande Carro Branco

O movimento beat criou um cacoete no qual qualquer livro que envolva viagem e estrada remeta automaticamente a um universo onde embarcar num carro e deixar tudo para trás seja sinônimo de liberdade. A viagem de James Amaro traz bem clara sua motivação no título, mas, diferente do clássico On the road, de Kerouac, o combustível que conduz os personagens pouco influi na conformação do destino. Tudo bem que há o jazz, o sexo e as bebidas em comum, ainda assim, no novo romance de Luiz Biajoni, a jornada se inicia e atravessa uma paisagem puramente anímica.

O livro começa com a observação de uma vida feito um filme, e essa é a maneira mais tangível de se perceber a estrutura. Há uma potencialização cinematográfica em todo seu conceito literário. As partições narrativas e temporais, a inversão de vozes, a construção dos atores ficcionais, os diálogos precisos (e preciosos), as reviravoltas de roteiro. Biajoni se esmera na dinâmica de opostos, num jogo de claro e escuro. Irradiar um personagem e definir o outro à sua sombra e, em seguida, inverter esses papéis. O foco está na interação e tudo depende do funcionamento desta.

A trama tem, aparentemente, um apelo dos mais simples. Dois colegas de colégio, passando por momentos agudos de suas vidas, reencontram-se vinte anos depois e decidem dar trégua aos problemas, lançando-se numa viagem de carro de Americana (SP) à Paraty (RJ). No banco do motorista, está James Amaro, um sujeito corpulento, de voz alta e ativa, comportamento hedonista e expansivo. De uma família abastada de advogados, seguiu a profissão, embora sua atividade preferida seja a de “predador sexual”. Amaro, um cinquentão, tem predileção por jovens mulheres, aquelas cujo viço da adolescência ainda é latente. Apenas a música o satisfaz tanto quanto o sexo oposto, para o qual se mostra misógino e machista.

Já no banco do carona está Alex Viana, “introspectivo e miúdo”, cuja inteligência não soube usar adequadamente. Quando jovem, foi morar em Londres, a fim de estudar cinema, mas acabou como um professor ferrado de cursinho de inglês. Está com o aluguel atrasado, uma ordem de despejo à vista e sem grana sequer para pagar uma refeição decente. O que lhe resta, conclui, é dar fim à sua vida.

Então se esbarram num corredor de supermercado. Amaro acaba de deixar uma namorada que tentou o suicídio e “contrata” Viana para ser seu parceiro de aventura, pagando os aluguéis atrasados e as despesas futuras. Embarcam no Grande Carro Branco, cujo sistema de som toca o mais fino do jazz, dos clássicos a discos obscuros. O ritmo vai embalar toda travessia, cujo destino é a estrada que cada um leva dentro de si. A princípio, um solilóquio, no qual Amaro narra suas aventuras (sexuais, na maioria) e desventuras, o casamento falido e a filha que morreu. No entanto, o desenrolar da trama, apresentada ora em primeira pessoa, na perspectiva de Viana, ora em terceira, vai irromper tensões que deslindam segredos e pecados.

Biajoni demonstra um domínio técnico afiado para dar contornos sedutores a seus personagens. Com uma prosa leve, de fácil leitura, vai criando um fluxo eletrizante, no qual as reviravoltas alcançam o impacto pretendido. Outro ponto admirável é a capacidade de elencar pequenas histórias, que interpõem passado e presente em poucas linhas, sem se confundir ou afrouxar a bem amarrada tessitura.

Amaro, por motivos óbvios, é de uma presença magnética, e dele decorrem as melhores tiradas, as histórias mais sacanas e as aulas sobre jazz, que é de um prazer avante ao livro (dica: ouça os álbuns citados). No entanto, nele também habitam as confissões mais sombrias que, somadas à história oculta de Viana, gera uma passagem nublosa, porém é rápida e se dispersa num cenário solar feito o da bela Paraty. Biajoni entrega um romance delicioso, que excita e comove em tantas proporções, prendendo o leitor numa viagem da primeira à última página, sem qualquer vontade de paradas de descanso à beira da estrada.

***

Livro: A viagem de James Amaro

Editora: Língua Geral

Avaliação: Muito bom

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s